NOTÍCIA

Você está em: Inícial
Notícias

Notícia

Vacinas, Agora Liberadas em Farmácias

Fonte: www.crfrs.org.br | Autor: CRF-RS
Imagem notícia Vacinas, Agora Liberadas em Farmácias

Conservação de vacinas em serviços de vacinação!

Recentemente, a Anvisa publicou a Resolução RDC n° 197/17, a qual dispõe sobre os requisitos mínimos para o funcionamento dos serviços de vacinação humana. Os farmacêuticos sabem que as condições ambientais, como temperatura e umidade, são fundamentais para a conservação dos medicamentos e para a garantia de sua qualidade e segurança. As vacinas são classificadas como imunobiológicos, medicamentos especialmente sensíveis a variações de temperatura, os quais devem ser armazenados sob condições específicas para a manutenção de sua eficácia e segurança.

A partir da publicação da RDC n° 197/17, as drogarias podem oferecer serviço de vacinação a seus usuários, desde que cumpram os requisitos estabelecidos pela Resolução. Para garantir a adequada conservação das vacinas a normativa estabelece que o estabelecimento deverá possuir equipamento de refrigeração exclusivo para guarda e conservação de vacinas, com termômetro de momento com máxima e mínima, com registro diário da temperatura, que deve ser medida com instrumentos devidamente calibrados e que possibilitem monitoramento contínuo da temperatura.

Adicionalmente, não será qualquer equipamento de refrigeração que poderá armazenar as vacinas, o equipamento de refrigeração para guarda e conservação de vacinas deve estar regularizado perante a Anvisa. Além disso, o estabelecimento que contar com serviço de vacinação deverá possuir meios eficazes para o armazenamento das vacinas, mesmo diante de falha no fornecimento de energia elétrica.

É importante ressaltar que a RDC n° 197/17 também determina que o estabelecimento deverá adotar procedimentos para a preservação da qualidade e integridade das vacinas quando houver necessidade de transportá-las. Ou seja, deverá possuir caixas térmicas que mantenham as condições de conservação indicadas pelo fabricante da vacina, sendo que a temperatura ao longo de todo o transporte deverá ser monitorada, com o registro das temperaturas mínima e máxima, com termômetro de momento, com cabos extensores para as caixas térmicas.

Outros requisitos, além dos procedimentos de conservação das vacinas, devem ser atendidos pelos estabelecimentos que pretendem, ou já oferecem o serviço de vacinação.

Outras notícias